Contos Verídicos no Face
Publicidade
Produtos Originais
Categorias

Comi o rabo da esposa do meu chefe

Disque sexo

Meu nome Paulo, tenho 33 anos, e essa histria que eu vou contar agora verdica e aconteceu h dois meses. Sou funcionrio Pblico em Fpolis-SC, eu estava em uma praia bastante deserta na ilha de Fpolis, andando pela areia, quando vi passar perto de mim a esposa do meu chefe (ela no me viu). Ela uma mulher muito bonita, deve ter uns 27 anos, tem dois filhos, mas muito bonita e gostosa, loira, aprox. 1,70, seios volumosos e firmes, cinturinha fina, bundinha redondinha que eu vivia secando quando ela passava no meu servio, realmente muito gostosa. Ela era uma mulher aparentemente sria e respeitava o marido (meu chefe). Quando ela passou por mim, ela no me reconheceu, observei que ela estava sozinha, e com um biquini muito ousado, enterrado naquela bundona gostosa dela, e passou rebolando bem alegre, em direo parte mais desertada da praia. Resolvi segui-la de longe para ver onde ela ia, e o que ela iria fazer. Quando chegou prximo ao costo, onde no havia ningum por perto, ela esticou a toalha e se deitou. Eu entrei pelo meio do mato e fui me aproximando sem que ela me visse, cheguei bem perto dela. Ela estava deitada de bunda pra cima, com as pernas voltadas para o mar e a cabea bem prximo de onde eu estava, porm fiquei bem escondido de modo que ela no conseguiria me ver. Fiquei s observando por uns cinco minutos, quando vi sair de trs do costo um homem negro de aproximadamente 40 anos, bastante forte e alto, ele foi se aproximando e passou bem devagar pertinho dela, olhando pra bunda dela, ela quando viu o homem se aproximando, afastou um pouca as pernas e arrebitou a bunda. Ele foi passando e quando ele j havia passado por ela, a esposinha do meu chefe (que vou passar a chamar de Juliana), virou a cabea e sorriu para ele. O homem, parou e ela perguntou o nome dele, que disse se chamar Carlos, e em seguida Juliana perguntou se ele podia passar bronzeador nela, no que ele prontamente atendeu. Ela continuou deitada de bruos e ele comeou passando o bronzeador nas costas e braos dela. Ele desamarrou o lao do biquini das costas e continuou a espalhar o bronzeador, foi descendo at a bunda dela e foi passando, segurava firme com as duas mos, aquela bunda gostosa e afastava, olhando o biquini todo enterrado na bunda,foi passando as mos pelas partes internas da coxa, tocando na bucetinha dela, por cima da calcinha, ela se abriu toda e deu um gemidinho, nisso eu j estava com meu pau na mo batendo uma punheta, Carlos ento, afastou a calcinha para o lado e passou o dedo no cuzinho e em seguida na xoxotinha, enfiando um dedo ali, ela gemia e se contorcia toda, rebolaba na mo do nego. Eu no podia acreditar no que estava vendo, a esposinha do meu chefe babaca, rebolando com um dedo de um desconhecido na buceta. Ele tentou tirar a calcinha dela, mas ela disse que no, falou que podia aparecer algum, e era perigoso, que era casada e o marido no poderia ficar sabendo. Ele ento se ajoelhou no lado dela perto da cabea e abaixou a sunga que estava usando, e tirou seu pau pra fora, ela quase deu um grito de espanto pelo tamanho do pau do cara, era enorme. Ela no resistiu e pegou o pau com as mos, tinha que ser com as duas mos para conseguir abraa-lo, tentou colocar na boca mas no cabia, passou ento a passar a lingua de cima em baixo, ficou nesse esfrega, por uns cinco minutos, ele ento virou-a de barriga para cima e caiu de boca naqueles peites deliciosos, amassava eles com as mos, e mamava muito, em seguida foi descendo a mo at a sua calcinha, botando a mo por dentro, e masturbando aquela xoxotinha. Nessa altura ela j estava entregue aos caprichos do nego. Carlos segurou a calcinha com fora, e sem que ela pudesse esboar qualquer reao arrancou a calcinha e caiu de boca na bucetinha dela, ela por sua vez, abriu bem as pernas para facilitar a invaso daquela lingua em seu buraquinho. Juliana estava completamente nua na praia, podendo passar algum a qualquer momento, com um nego chupando sua buceta, e gozava muito, gemia alto, pedindo mais e mais. Carlos colocou-a de quatro, e aproveitando que ela estava completamente melada e a sua merc, colocou a cabea de seu caralho na portinha da buceta dela e comeou a forar passagem. Como o cacete dele era muito grande e ela no estava acostumada ela tentou sair, deitando-se, ele continuou em cima dela e a forar a passagem, ela pedia para ele parar mas como ela j estava deitada no tinha mais como fugir, e ele no ligava para seus apelos e foi forando at que entrou a cabea, ela deu um berro de dor to alto que a praia toda deve ter escutado, ela chorava e pedia para parar, mas ele ao contrrio forava e enfiava cada vez mais. Ele ficou parado por alguns instantes at que ela se acostumasse e comeou um vai e vem bem devagar. Juliana comeou a se acostumar e a gemer, no mais de dor, mas de prazer, ele ficou bombando nela bastante tempo e estavam to envolvidos que no notaram a aproximao de dois rapazes, eram jovens deviam ter no mximo 17 anos, Carlos observou a aproximao deles, porm Juliana no, pois estava com o rosto grudado na toalha e um caralho monstruoso na buceta. Carlos fez sinal para os dois adolescentes se aproximarem, eles foram chegando e j baixando o calo que vestiam. Quando Juliana viu, eles j estavam ao seu lado, e com os paus na mo, eram de tamanho normal, ela quis sair, mas foi segura por Carlos que continuou bombando. Ela falou que no queria mais e pediu para parar, Carlos ento falou: \”Sua vadia, voc provocou, agora vai ter que aguentar e fazer tudo o que eu quizer, chupa o pau deles\”. Dito isso, mandou os dois sentarem e colocar o pau na boca dela. No comeo ela no queria chupar, mas depois de alguns tapas fortes na bunda, que j estava ficando vermelha, ela comeou a chupar, dizendo: \”Por favor no me deixe marcada, para meu marido no desconfiar\”. Enquanto tudo isso acontecia, Carlos continuava bombando na buceta dela, e eu ali s observando, no acreditando no que via. Aproveitei que eles estavam fazendo barulho e o vento mexendo com o mato e tirei algumas fotos da cena, e sai bem devagar sem fazer barulho, indo em direo ao costo, saindo do mato logo em seguida, sem que me vissem, e voltei caminhando pela praia em direo a eles. Como ela estava ocupada chupando dois cacetes, e com outro gigantesco na buceta, no notou a minha aproximao, fui chegando perto e Carlos fez sinal para mim participar tambm. Nesse momento Carlos aumentou o ritmo e comeou a gozar, ao mesmo tempo que um dos adolescentes gozou na boca de Juliana, que foi obrigada a engolir tudo. Sem perder tempo, eu coloquei-a de quatro, quando ela olhou para mim e me reconheceu, ela quase teve um ataque, ficou branca, me olhando com os olhos arregalados, fiz sinal para ela ficar quieta e me preparei para penetra-la, lambuzei meu pau na buceta dela e coloquei na portinha de seu cuzinho, ela disse que no queria, que nunca tinha dado o rabinho, nem pro marido dela. Eu falei: \”fica quieta sua vadia, tu vai levar pau nesse rabo gostoso, e vai ficar quietinha, seno seu marido vai ficar sabendo disso tudo, sua vagabunda\”. Nesse momento ela comeou a chorar, ela sabia do que eu estava falando, e os outros no perceberam que eu j conhecia ela, e eu comecei a forar passagem naquele cuzinho virgem, fui forando e os gemidos de dor dela eram abafados pelo pau do adolescente em sua boca, quando vi meu pau, que no pequeno, j estava todo atolado no cuzinho dela, ela ainda estava sentindo dor, estava parada, quando comcei a bombar fazendo um vai e vem frentico, segurava no seu quadril com fora e estocava com violncia, quando estava quase gozando sai de trs dela e mandei ela chupar, ela comeou a chupar o meu pau, enquanto isso o nego, que j estavas com o pau duro novamente, se posicionou atrs e comeou a pincelar o seu pau monstruoso no cuzinho dela, ela quiz falar alguma coisa, sabendo que no iria aguentar, mas eu a segurei firme pelos cabelos e enterrei meu pau na sua boca. Quando o nego forou a cabea de seu pau no cuzinho dela, ela soltou um grito abafado pelo meu pau, quiz sair, mas foi segura por ns dois, ele ento deu outra estocada com fora e aquela \”geba\” desapareceu por completo no rabo dela, ela se contorcia tentando sair,mas no conseguia, ela perdeu a respirao e quase desmaiou de dor, mas com o tempo foi se acostumando e relaxando, o nego comeou a estocar primeiro lentamente, depois com mais fora e velocidade, e eu fodendo a boquinha dela, no aguentei a situao e gozei fundo na garganta dela, e fiz ela beber tudinho, lambendo meu pau at deixa-lo limpinho. Os dois adolescentes que s estavam olhando, estavam esperando o nego sair para tambm comerem o cuzinho dela. Nisso ele comeou a gemer e a enterrar com mais fora seu pau no c de Juliana, anunciando que iria gozar, e encheu o cuzinho dela de porra. Quando ele tirou o pau, que se pode ver o estrago que ficou, seu cu estava completamente esgaado, com a porra do nego escorrendo, misturado com sangue. Os dois adolescentes nem se importaram e tambm meteram um de cada vez no cuzinho dela enchendo mais ainda ela de porra, ela j nem gemia mais, em virtude de estar alargada e os paus dos jovens eram bem menores que o do nego, que a esta altura j estava se afastando, seguido logo em seguida pelos outros dois. Fiquei sozinho com ela, jogada na areia quase desfalecida, com o cuzinho sangrando, toda esfolada. Ajudei ela a se levantar, levei-a at dentro da gua e a ajudei a se limpar, ela vestiu a roupa e voltamos caminhando pela praia. Foi a que eu falei pra ela: \”Antes de eu chegar, estava escondido no mato e fotografei tudinho, de hoje em diante voc vai ser a minha putinha e fazer tudo o que eu mandar, seno o seu casamento est perdido. Ela baixou a cabea quase chorando e no falou nada, fomos at o carro dela (eu estava de nibus), e disse que eu iria dirigindo, ela sentou-se do meu lado, e no caminho eu a fiz chupar o meu pau at gozar em sua boquinha, mas isso no termina por aqui, no prximo conto eu vou contar uma festinha que eu fiz com a esposinha do meu chefe e alguns amigos meus, onde ns abusamos dela de todas as formas, depois de eu fuder ela na escada do prdio dela, enquanto o marido trabalhava. Por favor votem no meu conto, e me mandem comentrios, para que muito em breve eu mande a continuao… kctpersonal@bol.com.br

5 Comentários para “Comi o rabo da esposa do meu chefe”

  1. patricia Says:
    no gostei do seu conto, no acho certo abusarem assim das mulheres acho legal fazerem algo por prazer desde que ela tbm sinta prazer e no seja machucada!!!
  2. marcio Says:
    isso nao coisa de homem coisa de canalha,quando o homem
    nao se garanti faz estas coisas.de ameaas VC UM CANALHA
    NAO E UM HOMEM
  3. daniele Says:
    se ainda no fez dupla penetrao nela faa, ela vai gostar soca dois paus no cuzinho dela e faz ela chupar muito pau essa vadia, queria estar no lugar dela sendo enterrada por quatro paus.
  4. Kelly Says:
    Tenha vergonha CANALHA. Deus fez a criao para ser perfeita. Voc no tem amor nem por voc. Tenha vergonha na cara…
  5. alex Says:
    oi daniele says vc gosta de festinhas me mande contato q agente faz pra vc ou casais msn alessandromourao2009@hotmail.com

Deixe Um Comentário

WP-SpamFree by Pole Position Marketing