Contos Verídicos no Face
Disque Sexo
Disque Sexo
Categorias

Melhor amiga da esposa

Disque sexo

Conto enviado por: Casado Tatuado

Olá sou Fábio, 43 anos, 1,68, 55kls, olhos e cabelos castanhos, uso óculos e sou casado a mais de 20 anos.
Sou bem casado, mas, minha esposa não é “animada” na cama, isso quer dizer: como ela, so papai e mamãe… e olhe lá !!!
Minha esposa tem uma grande amiga, a Sofia, não é um mulherão, atraente ou especial.
A Sofia é viuva, tem seus 46 anos, 1.65, 50kls, olhos pretos assim como os cabelos que são curtos e ligeiramente ondulados, tem uns peitinhos pequenos contudo firmes e uma bunda redondinha, mas diriamos que pequena demais para o meu gosto.

 

 

Numa certa sexta-feira quando cheguei do trabalho minha esposa me disse que havia combinado para eu ir no sábado na casa da Sofia para ajudá-la com alguns afazeres dómesticos.

Durante aquela noite tentei “namorar” com minha esposa mas, ela estava indisposta, o que me deixou puta da vida.

No sábado pela manhã fui para o apto da Sofia, eu estava de sandálias, bermuda e camiseta, fui recebido pela Sofia que trajava uma sandália rasteirinha, bermuda larga e uma camiseta comum. Nada sensual, na verdade até dava um ar de relaxada.

Enfim, começei a trabalheira, troca de bocais de luz, conserto de interruptores, troca de chuveiro, colocação de quadros, etc.

Por volta das duas da tarde tudo estava terminado e ai a Sofia começou a colocar a mesa do almoço.

Eu disse que não iria almoçar, pois, tinha outras coisas a fazer. Ela insistiu e acabei ficando.

Logo estavamos sentados a mesa, ela fez meu prato serviu-me uma cerveja, sentou-se do outro lado da mesa  e começamos a comer.

Foi ai que começei a reparar na Sofia !

Ver aquela mulher pequena, ali sozinha, me excitou e eu resolvi arriscar, afinal estava puto com a situação que minha esposa me colocou.

Perguntei a Sofia o que ela pensava sobre mim. Ela começou a responder coisas clássicas, como: legal, prestativo, etc.

Perguntei o que ela achava de mim de maneira mais íntima, de como a Sofia mulher me via.

Nesse momento vi que ela me encarrou, ficou vermelha, notei seu constrangimento e seu desconforto.

Ela não respondeu….. Eu me levantei e fui para o lado se sua cadeira.

Começei a massagear seus ombros e pedi que relaxasse pois estava muito tensa.

Seus nervos estavam como pedra, voltei a insistir que relaxasse e curtisse.

Ela nada fez, lentamente desviei meu corpo de lado fazendo minha virilha tocar no seu ante-braço o que fez minha vara ficar dura na hora.

Passei a roçar minha vara no ombro, ante-braço, minhas mãos continuavam a massagear os ombros deslizando uma mão para a nuca e a outra pelo pescoço indo até o queixo e voltando.

Ela suspirou e susurrou baixinho:

“PÁRA FÁBIO……. EU NÃO SOU DE FERRO….. E A MUITO TEMPO NÃO TENHO UMA RE…….” sua voz foi morrendo.

Passei a massagear sua nuca com força e vitalidade, a outa mão passou a acariciar seu pescoço, colo, desçendo por cima da camiseta.

Quando pude notar de relançe os biquinhos quase que furarem a camiseta.

Foi a deixa, sabia que iria foder a Sofia naquele dia.

Segurando-a pela nuca guiei sua face até minha virilha e esfreguei sua face na minha pica.

Minhas pernas tremeram quando senti suas mãos massagearem e arranharem minhas coxas com vontade.

Ela subiu com uma das mão por debaixo da bermuda até alcançar minha bunda onde deu um apertão com força.

Sem pudor desçi mais minha mão e apalpei aquele peitinho diminuto e massagiei com vigor, beliscando, apertando, puxando.

Minha vara latejava e eu passava-a pelo rosto da Sofia.

Me afastei um pouco, minhas mãos escorregaram pela lateral do corpo dela e delicadamente passei a suspender a camiseta, ela não ofereçeu qualquer resistência.

Fiz seu corpo se aproximar do meu, guiando-a pela nuca.

Passei a deslizar a face dela na minha barriga enquanto minha virilha se encaixava no entre seios dela.

Afagava seus cabelos com desejo e a outra mão aranhava suas costas.

Podia sentir a pele quente e macia, ela nada falava ou fazia, quando minha mão desçeu até o feixo do sutiã e o abriu, senti a Sofia estremecer.

Com força ela se desvenciliou dos meus braços e argumentou:

“PARE FÁBIO….. NÃO É CERTO…… SOU MUITO AMIGA DA …….”

Coloquei o dedo na boca dela e simplismente susurrei “PSIUUUUUUUUUUUU”.

Olhei nos olhos e encarando-a com olhar malicioso e cafageste susurrei:

“SEI QUE VC ME QUER……. SINTO SEU CHEIRO DE DESEJO…. NOSSAS PELES SE ATRAEM….PARE DE PENSAR NELA……. AFINAL FOI ELA QUEM ME MANDOU AQUI…….”

Ela baixou o olhar e susurrou:

“EU SEI MAIS DE VOCÊ DO QUE IMAGINA… ELA SEMPRE FALA QUE VOCE É UM PERVERTIDO… QUE QUER QUE ELA FAÇA COISAS…..”

Minha mão voltou a afagar os cabelos da nuca fazendo ela levantar um pouco o rosto e me encarar.

A outra mão deslizou pela face, boca, queixo, pescoço, colo até tocar delicadamente nos biquinhos, que estavam duros como pedra. Bulinei um pouco ali e susurrei:

“ENTÃO VOCÊ SABE O QUE PODE TER ……… TENHO CERTEZA QUE NÃO VAI SE ARREPENDER…..”

Ela se levantou da cadeira para tentar sair, mas, o que aconteceu é que ficou mais perto de mim.

Aproximei meu rosto do dela e delicadamente toquei meus lábios nos delas.

Começei mordeliscando o lábio inferior, chupei e mordelisquei aquele lábio pequeno.

Quando passei para o lábio superior sua respiração ja estava ofegante e seu controle estava por um fio.

Após dar o mesmo tratamento no lábio superior puxei seus cabelos da nuca para trás com força e vigor, fazendo-a olhar para o teto e deixando seu queixinho na minha frente.

Quando sugei o queixo com vigor….. mordelisquei…. lambi….. quando sugava os queixo senti os braços dela se envolverem no meu pescoço, soltei seus cabelos e finalmente nossas bocas se encontraram.

Minha língua foi rápida e logo a enterrei toda naquela boca pequena, desbravei cada cm, dentes, céu, gengiva, logo ela estava metendo sua língua na minha boca e chupei com força, mordelisquei a pontinha com os lábios e depois com os dentes.

Enquanto sugava aquela boca pequena virei-a contra a mesa. Minhas mãos desçeram por suas laterais e a seguraram na cintura.

Levantei do chão e a coloquei sentada sobre a mesa.

Delicadamente, foi deitando suas costas nua no tampão da mesa,cuidadosamente fui afastando pratos e travessas.

Com ela deitada na mesa, minha boca deslizou pelo queixo, pescoço, colo, sempre lambendo, beijando, sugando e mordeliscando.

Ao chegar nos seios passei a ponta da língua por volta do mamilo que estava como pedra, desçi e com a ponta da língua, lambi todo o contorno dos seios.

Quando passei a língua pela parte debaixo do seios, a Sofia estremeceu, se contorceu na mesa, susurrando e gemendo.

Ouvir aqui foi um extase para mim……. voltei a passar a língua no local sensivel e dessa vez me demorei um pouco mais.

Ela passou a segurar minha cabeça pelos cabelos segurando-me na posição e intercalando entre os seios.

Passei a roçar os dentes na parte inferior dos seios. Dava chupadas vigorosas na base dos peitinhos e ela começou a gemer alto e sem dupor.

“AIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII HUMMMMMMMMMMMMMMMMMM SIIIISSSSSSSSSS”

Levantei um pouco o rosto e a vi de olhos fechados, sua feição era de alegria e felicidade, nisso percebi a latinha de cerveja do lado.

Peguei-a e passei no biquinho, ela estremeceu e gritou;

”HUMMMMMMMMMMMMMMMMMMMM DELICIA!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! AHHHHHHHHHHHHH”

Passei a bulinar com a latinha gelada nos peitinhos e minha boca voltou a desçer.

Passei a intercalar o quente da minha boca com o gelado da lata.

A essa altura ela se contorcia, gemia, rebolava, sabia que ela já era minha…….

Abri o botão da bermuda e logo baixei o ziper, tirei a bermuda e vi uma calcinha rosa tamanho médio….

Dei uma cheirada vigorosa na virilha e minha boca voltou a desçer.

Coxas, panturilha, pés, dedos, todo aquele corpinho foi beijado, lambido, chupado, sugado.

Quando voltei a subir ela ja estava se arreganhando para mim.

Já havia vencido a vergonha, uma de suas mãos tocava os seios e a outra batia na sua xana por baixo da calcinha.

Segurei suas mãos e as coloquei de lado

Segurei sua calcinha e senti-a toda molhadinha, parecia que tinha se urinado toda, segurei pelas laterais e lentamente tirei-a.

Que xaninha……!!!!! Era pequena, nem lisinha nem peluda, mantinha os pelinhos bem aparados e com uma higiene perfeita, o cheiro era de desejo e estava ensopada.

Cai de boca, primeiro lambendo os grandes lábios, logo estava sugando seu nectar, pela parte superior desçendo e subindo, ela se abria cada vez mais.

Desçia minha boca até sua bundinha e voltava, lentamente fui desbravando-a.

Vencidos os grandes lábios, minha língua passou a entrar e sair bem devagar, subia e desçia.

Quando desçia enterrava a língua, sentia o aroma de sua buceta, sentia o gosto de seu mel e chupei cada vez mais, cada vez com mais força e dedicação.

Quando enterrei minha língua toda naquela buceta ouvi:

“VEM FÁBIO….. ME TENHA…….. ME FAZ GOZAR…… AI….. VEMMM…… EU TE QUERO ……”

Me afastei e deu um tapa de lado, na coxa………..me debruçei sobre seu corpo e olhando-a nos olhos susurrei:

“VC ME QUER ????? QUER QUE EU FODA SUA BUCETA????? ENTÃO SAIBA QUE EU GOSTO DE PUTA………GOSTO DE SAFADA… DE CACHORRA…….VC QUER SER ?”

Ela me olhou com ar de desejo e mais atração, abriu a boca passou a língua nos lábios e susurro:

“VEM FODE SUA PUTINHA… QUERO SER SUA AMANTE SAFADA…… VEM ME FAZER DE CADELA”

Me afastei um pouco e fiquei alucinado. Segurei-a por um dos braços e a fiz girar, coloquei-a de costas, fiz sua bundinha ficar arrebitada na borda da mesa.

Com uma das mãos eu apertada, acariciava, tava tapas naquela bundinha enquantoa  outra abria minha bermuda e desçia minha cueca.

“AI….. FÁBIO…….QUE DELICIA…… ENTERRA SEU PAU NA MINHA XANA…… JUDIA DA SUA SOFIAZINHA….”

Eu aprumei minha cabeça naquela buceta lubrificada e num movimento rápido e violento enterrei meu membro.

“AIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII”

“HUMMMMMMMMMMMMM QUE MACHO GOSTOSO… FODE…… METE…… BOMBA, MEU HOMEM… QUERO SER FODIDA INTEIRINHA POR VOCE. MEU AMANTE SAFADO”

Passei a por e tirar de uma única vez, enterrando fundo fazendo o corpo dela ser jogado contra a mesa

“AIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII METE….. METE FUNDO…… JUDIA DESSA BUCETINHA SOLITÁRIA……”

Ela não tinha como controlar os movimentos, pois, seus pés não alcançavam o chão e eu a puxava de volta contra meu corpo.

“HUMMMMMMMMMMMMM ASSIM QUE EU GOSTO SEU PUTO JUDIA ….. BATE…..”

Senti minhas bolas baterem naquela bundinha e nesse momento passei a segura-lá pelos ombros.

“QUE DELICIA…… COMO AQUELA CORNINHA NÃO GOSTA DISSO ????? AIIIIIIIIIIIIIII”

Ao ouvir a ofensa à minha esposa, confesso que amei, mas tinha de castiga-lá e sem dó dei um tapa forte de mão aberta na bundinha.

“AIIIIIIIIIII CARALHO……….. DOEU……. ISSO BATE………”

Em tom forte e grave disse: “NUNCA FALE DELA… NUNCA ENTENDEU???” falei isso sincronizando com as enterrada.

“AIIIIIIIIII TA BOM FÁBIO, DESCULPA…… MAS VC É MUITO GOSTOSO……”

Me afastei e a virei de bruço, abri suas pernas e voltei a meter agora de frente.

Ela me deu um abraço de pernas pelas costas e eu retribui apertando seus seios.

Passei os dedos com delicadeza a parte inferior dos seios enquanto bombava.

Bastaram mais algumas socadas com força junto com as caricias na base dos seios e senti todo o corpo dela estremecer…. espasmos….. convulsões….. gritos….

“AIIIIIIIIIIIIIIII HUMMMMMMMMMMMMMMMM AIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII SISSSSSSSSSSSSSSSSSSS”.

Sua pele estava lisa do suor…….me deitei sobre o corpo dela e ela gemeu:

“AIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII VOCÊ TÁ ME ARREBENTANDO POR DENTRO FÁBIO…….”

Sem dizer nada ficamos ali alguns minutos se passaram e a respiração de Sofia voltou ao normal.

Me afstei e olhando-a disse : “PUTA SAFADA…… VC NAO É TÃO BOA QUANTO IMAGINAVA…..”

Ela so se virou de lado e saiu da mesa.

Começou a recolher sua roupa, eu fui até o sofá e disse.

“VEM CÁ SOFIA, VEM SATISFAZER SEU MACHO”

Ela olhou-me e susurrou : “ACHO QUE NÃO!!!!!”

“ACHO QUE SIM……..” disse seriamente……

Ela foi até o banheiro, eu me levantei e fui atrás, ela tentou fechar a porta mais eu a empurrei e entrei junto. Abraçei-a e voltei a beija-la.

Massagiei as costas, nuca, ombros, enquanto minha boca comia literalmente a dela.

Ela logo se entregou ao meu beijo e voltou a abraçar-me.

Segurando-a pela nuca foi lentamente desçendo sua face por meu pescoço, peito, até deixa-lá de frente com minha vara.

Encostado no balcão da pia do banheiro, ordendei……. “VAI SOFIA,,,,MAMA NO SEU MACHO… QUERO GOZAR NA SUA BOQUINHA….. QUERO VER VOCE TOMAR MINHA PORRA… SE DELICIAR COM MEU LEITE”.

Ela se afastou um pouco inclinou a cabeça e me encarando susurrou.

“SEI QUE ELA NÃO FAZ ISSO……….MAS FÁBIO….. EU AMO FAZER ISSO….”

“ENTAO VAMOS VER SE VOCÊ É BOA MESMO!!!”susurrei.

“MAS E SE EU ME ENVOLVER COM VOCÊ??? E SE EU NÃO CONSEGUIR TE ESQUEÇER DEPOI.. ??”

“SOFIA VAMOS VIVER E CURTIR O AGORA…….” disse.

Ela abriu a boca e começou a acariciar minha cabeçinha com a ponta da língua.

Ela era experiente no oral. Lambeu a cabeçinha com maestria, logo estava sugando com gosto minha cabeça.

Lentamente ela engoliu minha vara toda, sem frescura começou a enterrar toda a minha pica na boca, pondo e tirando num ritmo frenético.

Minhas pernas começaram a tremer e ela passou a acariciar minha coxas com as pontas das unhas.

Segurei sua cabeça pelos lados, afastei e deu o primeiro esporro naquela face safada.

Ela abriu a boca e o segundo jato entrou direto atingindo o céu da boca e ela fez a porra se espalhar na boca rapidamente, segurou minha vara e apontou para o colo onde o terceiro jato melou toda a pele e começou a escorrer pelo entre seios.

Ela se afastou e começou a se lambuzar com a porra, passando os dedos no colo e levando até a boca. Ela limpou tudinho e chupou os dedos com vontade.

Entramos numa banho demorado onde ela não parava de me chupar e lamber.

Sugou meus peitos com vontade, mordeu com força chegando a deixar marcas.

Meti novamente naquela bucetinha pequena, mas quente e macia.

Quando saimos do banho estavamos exaustos. Nos deitamos um pouco na cama dela e demos um cochilo.

Acordei com ela me chupando novamente.

Coloquei-a de quatro na cama e começei a bulinar o rabinho dela, ela confessou que não estava acostumada. E que da última vez tinha sentido muita dor.

Voltei a meter na bucetinha e fiquei bulinado com o dedinho o rabinho.

Ela pedia mais e com mais força, não demorou muito e gozou novamente.

Quando tentava enterra meu dedão no rabo de Sofia, minha esposa ligou.

Ai tivemos que parar e eu voltei para casa. Até hoje, de vez enquanto, nós saimos….

Depois conto quando enrabei a bundinha de Sofia…..

Olá sou Fábio, 43 anos, 1,68, 55kls, olhos e cabelos castanhos, uso óculos e sou casado a mais de 20 anos.

Sou bem casado, mas, minha esposa não é “animada” na cama, isso quer dizer: como ela, so papai e mamãe… e olhe lá !!!

Minha esposa tem uma grande amiga, a Sofia, não é um mulherão, atraente ou especial.

A Sofia é viuva, tem seus 46 anos, 1.65, 50kls, olhos pretos assim como os cabelos que são curtos e ligeiramente ondulados, tem uns peitinhos pequenos contudo firmes e uma bunda redondinha, mas diriamos que pequena demais para o meu gosto.

Numa certa sexta-feira quando cheguei do trabalho minha esposa me disse que havia combinado para eu ir no sábado na casa da Sofia para ajudá-la com alguns afazeres dómesticos.

Durante aquela noite tentei “namorar” com minha esposa mas, ela estava indisposta, o que me deixou puta da vida.

No sábado pela manhã fui para o apto da Sofia, eu estava de sandálias, bermuda e camiseta, fui recebido pela Sofia que trajava uma sandália rasteirinha, bermuda larga e uma camiseta comum. Nada sensual, na verdade até dava um ar de relaxada.

Enfim, começei a trabalheira, troca de bocais de luz, conserto de interruptores, troca de chuveiro, colocação de quadros, etc.

Por volta das duas da tarde tudo estava terminado e ai a Sofia começou a colocar a mesa do almoço.

Eu disse que não iria almoçar, pois, tinha outras coisas a fazer. Ela insistiu e acabei ficando.

Logo estavamos sentados a mesa, ela fez meu prato serviu-me uma cerveja, sentou-se do outro lado da mesa e começamos a comer.

Foi ai que começei a reparar na Sofia !

Ver aquela mulher pequena, ali sozinha, me excitou e eu resolvi arriscar, afinal estava puto com a situação que minha esposa me colocou.

Perguntei a Sofia o que ela pensava sobre mim. Ela começou a responder coisas clássicas, como: legal, prestativo, etc.

Perguntei o que ela achava de mim de maneira mais íntima, de como a Sofia mulher me via.

Nesse momento vi que ela me encarrou, ficou vermelha, notei seu constrangimento e seu desconforto.

Ela não respondeu….. Eu me levantei e fui para o lado se sua cadeira.

Começei a massagear seus ombros e pedi que relaxasse pois estava muito tensa.

Seus nervos estavam como pedra, voltei a insistir que relaxasse e curtisse.

Ela nada fez, lentamente desviei meu corpo de lado fazendo minha virilha tocar no seu ante-braço o que fez minha vara ficar dura na hora.

Passei a roçar minha vara no ombro, ante-braço, minhas mãos continuavam a massagear os ombros deslizando uma mão para a nuca e a outra pelo pescoço indo até o queixo e voltando.

Ela suspirou e susurrou baixinho:

“PÁRA FÁBIO……. EU NÃO SOU DE FERRO….. E A MUITO TEMPO NÃO TENHO UMA RE…….” sua voz foi morrendo.

Passei a massagear sua nuca com força e vitalidade, a outa mão passou a acariciar seu pescoço, colo, desçendo por cima da camiseta.

Quando pude notar de relançe os biquinhos quase que furarem a camiseta.

Foi a deixa, sabia que iria foder a Sofia naquele dia.

Segurando-a pela nuca guiei sua face até minha virilha e esfreguei sua face na minha pica.

Minhas pernas tremeram quando senti suas mãos massagearem e arranharem minhas coxas com vontade.

Ela subiu com uma das mão por debaixo da bermuda até alcançar minha bunda onde deu um apertão com força.

Sem pudor desçi mais minha mão e apalpei aquele peitinho diminuto e massagiei com vigor, beliscando, apertando, puxando.

Minha vara latejava e eu passava-a pelo rosto da Sofia.

Me afastei um pouco, minhas mãos escorregaram pela lateral do corpo dela e delicadamente passei a suspender a camiseta, ela não ofereçeu qualquer resistência.

Fiz seu corpo se aproximar do meu, guiando-a pela nuca.

Passei a deslizar a face dela na minha barriga enquanto minha virilha se encaixava no entre seios dela.

Afagava seus cabelos com desejo e a outra mão aranhava suas costas.

Podia sentir a pele quente e macia, ela nada falava ou fazia, quando minha mão desçeu até o feixo do sutiã e o abriu, senti a Sofia estremecer.

Com força ela se desvenciliou dos meus braços e argumentou:

“PARE FÁBIO….. NÃO É CERTO…… SOU MUITO AMIGA DA …….”

Coloquei o dedo na boca dela e simplismente susurrei “PSIUUUUUUUUUUUU”.

Olhei nos olhos e encarando-a com olhar malicioso e cafageste susurrei:

“SEI QUE VC ME QUER……. SINTO SEU CHEIRO DE DESEJO…. NOSSAS PELES SE ATRAEM….PARE DE PENSAR NELA……. AFINAL FOI ELA QUEM ME MANDOU AQUI…….”

Ela baixou o olhar e susurrou:

“EU SEI MAIS DE VOCÊ DO QUE IMAGINA… ELA SEMPRE FALA QUE VOCE É UM PERVERTIDO… QUE QUER QUE ELA FAÇA COISAS…..”

Minha mão voltou a afagar os cabelos da nuca fazendo ela levantar um pouco o rosto e me encarar.

A outra mão deslizou pela face, boca, queixo, pescoço, colo até tocar delicadamente nos biquinhos, que estavam duros como pedra. Bulinei um pouco ali e susurrei:

“ENTÃO VOCÊ SABE O QUE PODE TER ……… TENHO CERTEZA QUE NÃO VAI SE ARREPENDER…..”

Ela se levantou da cadeira para tentar sair, mas, o que aconteceu é que ficou mais perto de mim.

Aproximei meu rosto do dela e delicadamente toquei meus lábios nos delas.

Começei mordeliscando o lábio inferior, chupei e mordelisquei aquele lábio pequeno.

Quando passei para o lábio superior sua respiração ja estava ofegante e seu controle estava por um fio.

Após dar o mesmo tratamento no lábio superior puxei seus cabelos da nuca para trás com força e vigor, fazendo-a olhar para o teto e deixando seu queixinho na minha frente.

Quando sugei o queixo com vigor….. mordelisquei…. lambi….. quando sugava os queixo senti os braços dela se envolverem no meu pescoço, soltei seus cabelos e finalmente nossas bocas se encontraram.

Minha língua foi rápida e logo a enterrei toda naquela boca pequena, desbravei cada cm, dentes, céu, gengiva, logo ela estava metendo sua língua na minha boca e chupei com força, mordelisquei a pontinha com os lábios e depois com os dentes.

Enquanto sugava aquela boca pequena virei-a contra a mesa. Minhas mãos desçeram por suas laterais e a seguraram na cintura.

Levantei do chão e a coloquei sentada sobre a mesa.

Delicadamente, foi deitando suas costas nua no tampão da mesa,cuidadosamente fui afastando pratos e travessas.

Com ela deitada na mesa, minha boca deslizou pelo queixo, pescoço, colo, sempre lambendo, beijando, sugando e mordeliscando.

Ao chegar nos seios passei a ponta da língua por volta do mamilo que estava como pedra, desçi e com a ponta da língua, lambi todo o contorno dos seios.

Quando passei a língua pela parte debaixo do seios, a Sofia estremeceu, se contorceu na mesa, susurrando e gemendo.

Ouvir aqui foi um extase para mim……. voltei a passar a língua no local sensivel e dessa vez me demorei um pouco mais.

Ela passou a segurar minha cabeça pelos cabelos segurando-me na posição e intercalando entre os seios.

Passei a roçar os dentes na parte inferior dos seios. Dava chupadas vigorosas na base dos peitinhos e ela começou a gemer alto e sem dupor.

“AIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII HUMMMMMMMMMMMMMMMMMM SIIIISSSSSSSSSS”

Levantei um pouco o rosto e a vi de olhos fechados, sua feição era de alegria e felicidade, nisso percebi a latinha de cerveja do lado.

Peguei-a e passei no biquinho, ela estremeceu e gritou;

”HUMMMMMMMMMMMMMMMMMMMM DELICIA!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! AHHHHHHHHHHHHH”

Passei a bulinar com a latinha gelada nos peitinhos e minha boca voltou a desçer.

Passei a intercalar o quente da minha boca com o gelado da lata.

A essa altura ela se contorcia, gemia, rebolava, sabia que ela já era minha…….

Abri o botão da bermuda e logo baixei o ziper, tirei a bermuda e vi uma calcinha rosa tamanho médio….

Dei uma cheirada vigorosa na virilha e minha boca voltou a desçer.

Coxas, panturilha, pés, dedos, todo aquele corpinho foi beijado, lambido, chupado, sugado.

Quando voltei a subir ela ja estava se arreganhando para mim.

Já havia vencido a vergonha, uma de suas mãos tocava os seios e a outra batia na sua xana por baixo da calcinha.

Segurei suas mãos e as coloquei de lado

Segurei sua calcinha e senti-a toda molhadinha, parecia que tinha se urinado toda, segurei pelas laterais e lentamente tirei-a.

Que xaninha……!!!!! Era pequena, nem lisinha nem peluda, mantinha os pelinhos bem aparados e com uma higiene perfeita, o cheiro era de desejo e estava ensopada.

Cai de boca, primeiro lambendo os grandes lábios, logo estava sugando seu nectar, pela parte superior desçendo e subindo, ela se abria cada vez mais.

Desçia minha boca até sua bundinha e voltava, lentamente fui desbravando-a.

Vencidos os grandes lábios, minha língua passou a entrar e sair bem devagar, subia e desçia.

Quando desçia enterrava a língua, sentia o aroma de sua buceta, sentia o gosto de seu mel e chupei cada vez mais, cada vez com mais força e dedicação.

Quando enterrei minha língua toda naquela buceta ouvi:

“VEM FÁBIO….. ME TENHA…….. ME FAZ GOZAR…… AI….. VEMMM…… EU TE QUERO ……”

Me afastei e deu um tapa de lado, na coxa………..me debruçei sobre seu corpo e olhando-a nos olhos susurrei:

“VC ME QUER ????? QUER QUE EU FODA SUA BUCETA????? ENTÃO SAIBA QUE EU GOSTO DE PUTA………GOSTO DE SAFADA… DE CACHORRA…….VC QUER SER ?”

Ela me olhou com ar de desejo e mais atração, abriu a boca passou a língua nos lábios e susurro:

“VEM FODE SUA PUTINHA… QUERO SER SUA AMANTE SAFADA…… VEM ME FAZER DE CADELA”

Me afastei um pouco e fiquei alucinado. Segurei-a por um dos braços e a fiz girar, coloquei-a de costas, fiz sua bundinha ficar arrebitada na borda da mesa.

Com uma das mãos eu apertada, acariciava, tava tapas naquela bundinha enquantoa outra abria minha bermuda e desçia minha cueca.

“AI….. FÁBIO…….QUE DELICIA…… ENTERRA SEU PAU NA MINHA XANA…… JUDIA DA SUA SOFIAZINHA….”

Eu aprumei minha cabeça naquela buceta lubrificada e num movimento rápido e violento enterrei meu membro.

“AIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII”

“HUMMMMMMMMMMMMM QUE MACHO GOSTOSO… FODE…… METE…… BOMBA, MEU HOMEM… QUERO SER FODIDA INTEIRINHA POR VOCE. MEU AMANTE SAFADO”

Passei a por e tirar de uma única vez, enterrando fundo fazendo o corpo dela ser jogado contra a mesa

“AIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII METE….. METE FUNDO…… JUDIA DESSA BUCETINHA SOLITÁRIA……”

Ela não tinha como controlar os movimentos, pois, seus pés não alcançavam o chão e eu a puxava de volta contra meu corpo.

“HUMMMMMMMMMMMMM ASSIM QUE EU GOSTO SEU PUTO JUDIA ….. BATE…..”

Senti minhas bolas baterem naquela bundinha e nesse momento passei a segura-lá pelos ombros.

“QUE DELICIA…… COMO AQUELA CORNINHA NÃO GOSTA DISSO ????? AIIIIIIIIIIIIIII”

Ao ouvir a ofensa à minha esposa, confesso que amei, mas tinha de castiga-lá e sem dó dei um tapa forte de mão aberta na bundinha.

“AIIIIIIIIIII CARALHO……….. DOEU……. ISSO BATE………”

Em tom forte e grave disse: “NUNCA FALE DELA… NUNCA ENTENDEU???” falei isso sincronizando com as enterrada.

“AIIIIIIIIII TA BOM FÁBIO, DESCULPA…… MAS VC É MUITO GOSTOSO……”

Me afastei e a virei de bruço, abri suas pernas e voltei a meter agora de frente.

Ela me deu um abraço de pernas pelas costas e eu retribui apertando seus seios.

Passei os dedos com delicadeza a parte inferior dos seios enquanto bombava.

Bastaram mais algumas socadas com força junto com as caricias na base dos seios e senti todo o corpo dela estremecer…. espasmos….. convulsões….. gritos….

“AIIIIIIIIIIIIIIII HUMMMMMMMMMMMMMMMM AIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII SISSSSSSSSSSSSSSSSSSS”.

Sua pele estava lisa do suor…….me deitei sobre o corpo dela e ela gemeu:

“AIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII VOCÊ TÁ ME ARREBENTANDO POR DENTRO FÁBIO…….”

Sem dizer nada ficamos ali alguns minutos se passaram e a respiração de Sofia voltou ao normal.

Me afstei e olhando-a disse : “PUTA SAFADA…… VC NAO É TÃO BOA QUANTO IMAGINAVA…..”

Ela so se virou de lado e saiu da mesa.

Começou a recolher sua roupa, eu fui até o sofá e disse.

“VEM CÁ SOFIA, VEM SATISFAZER SEU MACHO”

Ela olhou-me e susurrou : “ACHO QUE NÃO!!!!!”

“ACHO QUE SIM……..” disse seriamente……

Ela foi até o banheiro, eu me levantei e fui atrás, ela tentou fechar a porta mais eu a empurrei e entrei junto. Abraçei-a e voltei a beija-la.

Massagiei as costas, nuca, ombros, enquanto minha boca comia literalmente a dela.

Ela logo se entregou ao meu beijo e voltou a abraçar-me.

Segurando-a pela nuca foi lentamente desçendo sua face por meu pescoço, peito, até deixa-lá de frente com minha vara.

Encostado no balcão da pia do banheiro, ordendei……. “VAI SOFIA,,,,MAMA NO SEU MACHO… QUERO GOZAR NA SUA BOQUINHA….. QUERO VER VOCE TOMAR MINHA PORRA… SE DELICIAR COM MEU LEITE”.

Ela se afastou um pouco inclinou a cabeça e me encarando susurrou.

“SEI QUE ELA NÃO FAZ ISSO……….MAS FÁBIO….. EU AMO FAZER ISSO….”

“ENTAO VAMOS VER SE VOCÊ É BOA MESMO!!!”susurrei.

“MAS E SE EU ME ENVOLVER COM VOCÊ??? E SE EU NÃO CONSEGUIR TE ESQUEÇER DEPOI.. ??”

“SOFIA VAMOS VIVER E CURTIR O AGORA…….” disse.

Ela abriu a boca e começou a acariciar minha cabeçinha com a ponta da língua.

Ela era experiente no oral. Lambeu a cabeçinha com maestria, logo estava sugando com gosto minha cabeça.

Lentamente ela engoliu minha vara toda, sem frescura começou a enterrar toda a minha pica na boca, pondo e tirando num ritmo frenético.

Minhas pernas começaram a tremer e ela passou a acariciar minha coxas com as pontas das unhas.

Segurei sua cabeça pelos lados, afastei e deu o primeiro esporro naquela face safada.

Ela abriu a boca e o segundo jato entrou direto atingindo o céu da boca e ela fez a porra se espalhar na boca rapidamente, segurou minha vara e apontou para o colo onde o terceiro jato melou toda a pele e começou a escorrer pelo entre seios.

Ela se afastou e começou a se lambuzar com a porra, passando os dedos no colo e levando até a boca. Ela limpou tudinho e chupou os dedos com vontade.

Entramos numa banho demorado onde ela não parava de me chupar e lamber.

Sugou meus peitos com vontade, mordeu com força chegando a deixar marcas.

Meti novamente naquela bucetinha pequena, mas quente e macia.

Quando saimos do banho estavamos exaustos. Nos deitamos um pouco na cama dela e demos um cochilo.

Acordei com ela me chupando novamente.

Coloquei-a de quatro na cama e começei a bulinar o rabinho dela, ela confessou que não estava acostumada. E que da última vez tinha sentido muita dor.

Voltei a meter na bucetinha e fiquei bulinado com o dedinho o rabinho.

Ela pedia mais e com mais força, não demorou muito e gozou novamente.

Quando tentava enterra meu dedão no rabo de Sofia, minha esposa ligou.

Ai tivemos que parar e eu voltei para casa. Até hoje, de vez enquanto, nós saimos….

Depois conto quando enrabei a bundinha de Sofia…..Olá sou Fábio, 43 anos, 1,68, 55kls, olhos e cabelos castanhos, uso óculos e sou casado a mais de 20 anos.

Sou bem casado, mas, minha esposa não é “animada” na cama, isso quer dizer: como ela, so papai e mamãe… e olhe lá !!!

Minha esposa tem uma grande amiga, a Sofia, não é um mulherão, atraente ou especial.

A Sofia é viuva, tem seus 46 anos, 1.65, 50kls, olhos pretos assim como os cabelos que são curtos e ligeiramente ondulados, tem uns peitinhos pequenos contudo firmes e uma bunda redondinha, mas diriamos que pequena demais para o meu gosto.

Numa certa sexta-feira quando cheguei do trabalho minha esposa me disse que havia combinado para eu ir no sábado na casa da Sofia para ajudá-la com alguns afazeres dómesticos.

Durante aquela noite tentei “namorar” com minha esposa mas, ela estava indisposta, o que me deixou puta da vida.

No sábado pela manhã fui para o apto da Sofia, eu estava de sandálias, bermuda e camiseta, fui recebido pela Sofia que trajava uma sandália rasteirinha, bermuda larga e uma camiseta comum. Nada sensual, na verdade até dava um ar de relaxada.

Enfim, começei a trabalheira, troca de bocais de luz, conserto de interruptores, troca de chuveiro, colocação de quadros, etc.

Por volta das duas da tarde tudo estava terminado e ai a Sofia começou a colocar a mesa do almoço.

Eu disse que não iria almoçar, pois, tinha outras coisas a fazer. Ela insistiu e acabei ficando.

Logo estavamos sentados a mesa, ela fez meu prato serviu-me uma cerveja, sentou-se do outro lado da mesa  e começamos a comer.

Foi ai que começei a reparar na Sofia !

Ver aquela mulher pequena, ali sozinha, me excitou e eu resolvi arriscar, afinal estava puto com a situação que minha esposa me colocou.

Perguntei a Sofia o que ela pensava sobre mim. Ela começou a responder coisas clássicas, como: legal, prestativo, etc.

Perguntei o que ela achava de mim de maneira mais íntima, de como a Sofia mulher me via.

Nesse momento vi que ela me encarrou, ficou vermelha, notei seu constrangimento e seu desconforto.

Ela não respondeu….. Eu me levantei e fui para o lado se sua cadeira.

Começei a massagear seus ombros e pedi que relaxasse pois estava muito tensa.

Seus nervos estavam como pedra, voltei a insistir que relaxasse e curtisse.

Ela nada fez, lentamente desviei meu corpo de lado fazendo minha virilha tocar no seu ante-braço o que fez minha vara ficar dura na hora.

Passei a roçar minha vara no ombro, ante-braço, minhas mãos continuavam a massagear os ombros deslizando uma mão para a nuca e a outra pelo pescoço indo até o queixo e voltando.

Ela suspirou e susurrou baixinho:

“PÁRA FÁBIO……. EU NÃO SOU DE FERRO….. E A MUITO TEMPO NÃO TENHO UMA RE…….” sua voz foi morrendo.

Passei a massagear sua nuca com força e vitalidade, a outa mão passou a acariciar seu pescoço, colo, desçendo por cima da camiseta.

Quando pude notar de relançe os biquinhos quase que furarem a camiseta.

Foi a deixa, sabia que iria foder a Sofia naquele dia.

Segurando-a pela nuca guiei sua face até minha virilha e esfreguei sua face na minha pica.

Minhas pernas tremeram quando senti suas mãos massagearem e arranharem minhas coxas com vontade.

Ela subiu com uma das mão por debaixo da bermuda até alcançar minha bunda onde deu um apertão com força.

Sem pudor desçi mais minha mão e apalpei aquele peitinho diminuto e massagiei com vigor, beliscando, apertando, puxando.

Minha vara latejava e eu passava-a pelo rosto da Sofia.

Me afastei um pouco, minhas mãos escorregaram pela lateral do corpo dela e delicadamente passei a suspender a camiseta, ela não ofereçeu qualquer resistência.

Fiz seu corpo se aproximar do meu, guiando-a pela nuca.

Passei a deslizar a face dela na minha barriga enquanto minha virilha se encaixava no entre seios dela.

Afagava seus cabelos com desejo e a outra mão aranhava suas costas.

Podia sentir a pele quente e macia, ela nada falava ou fazia, quando minha mão desçeu até o feixo do sutiã e o abriu, senti a Sofia estremecer.

Com força ela se desvenciliou dos meus braços e argumentou:

“PARE FÁBIO….. NÃO É CERTO…… SOU MUITO AMIGA DA …….”

Coloquei o dedo na boca dela e simplismente susurrei “PSIUUUUUUUUUUUU”.

Olhei nos olhos e encarando-a com olhar malicioso e cafageste susurrei:

“SEI QUE VC ME QUER……. SINTO SEU CHEIRO DE DESEJO…. NOSSAS PELES SE ATRAEM….PARE DE PENSAR NELA……. AFINAL FOI ELA QUEM ME MANDOU AQUI…….”

Ela baixou o olhar e susurrou:

“EU SEI MAIS DE VOCÊ DO QUE IMAGINA… ELA SEMPRE FALA QUE VOCE É UM PERVERTIDO… QUE QUER QUE ELA FAÇA COISAS…..”

Minha mão voltou a afagar os cabelos da nuca fazendo ela levantar um pouco o rosto e me encarar.

A outra mão deslizou pela face, boca, queixo, pescoço, colo até tocar delicadamente nos biquinhos, que estavam duros como pedra. Bulinei um pouco ali e susurrei:

“ENTÃO VOCÊ SABE O QUE PODE TER ……… TENHO CERTEZA QUE NÃO VAI SE ARREPENDER…..”

Ela se levantou da cadeira para tentar sair, mas, o que aconteceu é que ficou mais perto de mim.

Aproximei meu rosto do dela e delicadamente toquei meus lábios nos delas.

Começei mordeliscando o lábio inferior, chupei e mordelisquei aquele lábio pequeno.

Quando passei para o lábio superior sua respiração ja estava ofegante e seu controle estava por um fio.

Após dar o mesmo tratamento no lábio superior puxei seus cabelos da nuca para trás com força e vigor, fazendo-a olhar para o teto e deixando seu queixinho na minha frente.

Quando sugei o queixo com vigor….. mordelisquei…. lambi….. quando sugava os queixo senti os braços dela se envolverem no meu pescoço, soltei seus cabelos e finalmente nossas bocas se encontraram.

Minha língua foi rápida e logo a enterrei toda naquela boca pequena, desbravei cada cm, dentes, céu, gengiva, logo ela estava metendo sua língua na minha boca e chupei com força, mordelisquei a pontinha com os lábios e depois com os dentes.

Enquanto sugava aquela boca pequena virei-a contra a mesa. Minhas mãos desçeram por suas laterais e a seguraram na cintura.

Levantei do chão e a coloquei sentada sobre a mesa.

Delicadamente, foi deitando suas costas nua no tampão da mesa,cuidadosamente fui afastando pratos e travessas.

Com ela deitada na mesa, minha boca deslizou pelo queixo, pescoço, colo, sempre lambendo, beijando, sugando e mordeliscando.

Ao chegar nos seios passei a ponta da língua por volta do mamilo que estava como pedra, desçi e com a ponta da língua, lambi todo o contorno dos seios.

Quando passei a língua pela parte debaixo do seios, a Sofia estremeceu, se contorceu na mesa, susurrando e gemendo.

Ouvir aqui foi um extase para mim……. voltei a passar a língua no local sensivel e dessa vez me demorei um pouco mais.

Ela passou a segurar minha cabeça pelos cabelos segurando-me na posição e intercalando entre os seios.

Passei a roçar os dentes na parte inferior dos seios. Dava chupadas vigorosas na base dos peitinhos e ela começou a gemer alto e sem dupor.

“AIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII HUMMMMMMMMMMMMMMMMMM SIIIISSSSSSSSSS”

Levantei um pouco o rosto e a vi de olhos fechados, sua feição era de alegria e felicidade, nisso percebi a latinha de cerveja do lado.

Peguei-a e passei no biquinho, ela estremeceu e gritou;

”HUMMMMMMMMMMMMMMMMMMMM DELICIA!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! AHHHHHHHHHHHHH”

Passei a bulinar com a latinha gelada nos peitinhos e minha boca voltou a desçer.

Passei a intercalar o quente da minha boca com o gelado da lata.

A essa altura ela se contorcia, gemia, rebolava, sabia que ela já era minha…….

Abri o botão da bermuda e logo baixei o ziper, tirei a bermuda e vi uma calcinha rosa tamanho médio….

Dei uma cheirada vigorosa na virilha e minha boca voltou a desçer.

Coxas, panturilha, pés, dedos, todo aquele corpinho foi beijado, lambido, chupado, sugado.

Quando voltei a subir ela ja estava se arreganhando para mim.

Já havia vencido a vergonha, uma de suas mãos tocava os seios e a outra batia na sua xana por baixo da calcinha.

Segurei suas mãos e as coloquei de lado

Segurei sua calcinha e senti-a toda molhadinha, parecia que tinha se urinado toda, segurei pelas laterais e lentamente tirei-a.

Que xaninha……!!!!! Era pequena, nem lisinha nem peluda, mantinha os pelinhos bem aparados e com uma higiene perfeita, o cheiro era de desejo e estava ensopada.

Cai de boca, primeiro lambendo os grandes lábios, logo estava sugando seu nectar, pela parte superior desçendo e subindo, ela se abria cada vez mais.

Desçia minha boca até sua bundinha e voltava, lentamente fui desbravando-a.

Vencidos os grandes lábios, minha língua passou a entrar e sair bem devagar, subia e desçia.

Quando desçia enterrava a língua, sentia o aroma de sua buceta, sentia o gosto de seu mel e chupei cada vez mais, cada vez com mais força e dedicação.

Quando enterrei minha língua toda naquela buceta ouvi:

“VEM FÁBIO….. ME TENHA…….. ME FAZ GOZAR…… AI….. VEMMM…… EU TE QUERO ……”

Me afastei e deu um tapa de lado, na coxa………..me debruçei sobre seu corpo e olhando-a nos olhos susurrei:

“VC ME QUER ????? QUER QUE EU FODA SUA BUCETA????? ENTÃO SAIBA QUE EU GOSTO DE PUTA………GOSTO DE SAFADA… DE CACHORRA…….VC QUER SER ?”

Ela me olhou com ar de desejo e mais atração, abriu a boca passou a língua nos lábios e susurro:

“VEM FODE SUA PUTINHA… QUERO SER SUA AMANTE SAFADA…… VEM ME FAZER DE CADELA”

Me afastei um pouco e fiquei alucinado. Segurei-a por um dos braços e a fiz girar, coloquei-a de costas, fiz sua bundinha ficar arrebitada na borda da mesa.

Com uma das mãos eu apertada, acariciava, tava tapas naquela bundinha enquantoa  outra abria minha bermuda e desçia minha cueca.

“AI….. FÁBIO…….QUE DELICIA…… ENTERRA SEU PAU NA MINHA XANA…… JUDIA DA SUA SOFIAZINHA….”

Eu aprumei minha cabeça naquela buceta lubrificada e num movimento rápido e violento enterrei meu membro.

“AIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII”

“HUMMMMMMMMMMMMM QUE MACHO GOSTOSO… FODE…… METE…… BOMBA, MEU HOMEM… QUERO SER FODIDA INTEIRINHA POR VOCE. MEU AMANTE SAFADO”

Passei a por e tirar de uma única vez, enterrando fundo fazendo o corpo dela ser jogado contra a mesa

“AIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII METE….. METE FUNDO…… JUDIA DESSA BUCETINHA SOLITÁRIA……”

Ela não tinha como controlar os movimentos, pois, seus pés não alcançavam o chão e eu a puxava de volta contra meu corpo.

“HUMMMMMMMMMMMMM ASSIM QUE EU GOSTO SEU PUTO JUDIA ….. BATE…..”

Senti minhas bolas baterem naquela bundinha e nesse momento passei a segura-lá pelos ombros.

“QUE DELICIA…… COMO AQUELA CORNINHA NÃO GOSTA DISSO ????? AIIIIIIIIIIIIIII”

Ao ouvir a ofensa à minha esposa, confesso que amei, mas tinha de castiga-lá e sem dó dei um tapa forte de mão aberta na bundinha.

“AIIIIIIIIIII CARALHO……….. DOEU……. ISSO BATE………”

Em tom forte e grave disse: “NUNCA FALE DELA… NUNCA ENTENDEU???” falei isso sincronizando com as enterrada.

“AIIIIIIIIII TA BOM FÁBIO, DESCULPA…… MAS VC É MUITO GOSTOSO……”

Me afastei e a virei de bruço, abri suas pernas e voltei a meter agora de frente.

Ela me deu um abraço de pernas pelas costas e eu retribui apertando seus seios.

Passei os dedos com delicadeza a parte inferior dos seios enquanto bombava.

Bastaram mais algumas socadas com força junto com as caricias na base dos seios e senti todo o corpo dela estremecer…. espasmos….. convulsões….. gritos….

“AIIIIIIIIIIIIIIII HUMMMMMMMMMMMMMMMM AIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII SISSSSSSSSSSSSSSSSSSS”.

Sua pele estava lisa do suor…….me deitei sobre o corpo dela e ela gemeu:

“AIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII VOCÊ TÁ ME ARREBENTANDO POR DENTRO FÁBIO…….”

Sem dizer nada ficamos ali alguns minutos se passaram e a respiração de Sofia voltou ao normal.

Me afstei e olhando-a disse : “PUTA SAFADA…… VC NAO É TÃO BOA QUANTO IMAGINAVA…..”

Ela so se virou de lado e saiu da mesa.

Começou a recolher sua roupa, eu fui até o sofá e disse.

“VEM CÁ SOFIA, VEM SATISFAZER SEU MACHO”

Ela olhou-me e susurrou : “ACHO QUE NÃO!!!!!”

“ACHO QUE SIM……..” disse seriamente……

Ela foi até o banheiro, eu me levantei e fui atrás, ela tentou fechar a porta mais eu a empurrei e entrei junto. Abraçei-a e voltei a beija-la.

Massagiei as costas, nuca, ombros, enquanto minha boca comia literalmente a dela.

Ela logo se entregou ao meu beijo e voltou a abraçar-me.

Segurando-a pela nuca foi lentamente desçendo sua face por meu pescoço, peito, até deixa-lá de frente com minha vara.

Encostado no balcão da pia do banheiro, ordendei……. “VAI SOFIA,,,,MAMA NO SEU MACHO… QUERO GOZAR NA SUA BOQUINHA….. QUERO VER VOCE TOMAR MINHA PORRA… SE DELICIAR COM MEU LEITE”.

Ela se afastou um pouco inclinou a cabeça e me encarando susurrou.

“SEI QUE ELA NÃO FAZ ISSO……….MAS FÁBIO….. EU AMO FAZER ISSO….”

“ENTAO VAMOS VER SE VOCÊ É BOA MESMO!!!”susurrei.

“MAS E SE EU ME ENVOLVER COM VOCÊ??? E SE EU NÃO CONSEGUIR TE ESQUEÇER DEPOI.. ??”

“SOFIA VAMOS VIVER E CURTIR O AGORA…….” disse.

Ela abriu a boca e começou a acariciar minha cabeçinha com a ponta da língua.

Ela era experiente no oral. Lambeu a cabeçinha com maestria, logo estava sugando com gosto minha cabeça.

Lentamente ela engoliu minha vara toda, sem frescura começou a enterrar toda a minha pica na boca, pondo e tirando num ritmo frenético.

Minhas pernas começaram a tremer e ela passou a acariciar minha coxas com as pontas das unhas.

Segurei sua cabeça pelos lados, afastei e deu o primeiro esporro naquela face safada.

Ela abriu a boca e o segundo jato entrou direto atingindo o céu da boca e ela fez a porra se espalhar na boca rapidamente, segurou minha vara e apontou para o colo onde o terceiro jato melou toda a pele e começou a escorrer pelo entre seios.

Ela se afastou e começou a se lambuzar com a porra, passando os dedos no colo e levando até a boca. Ela limpou tudinho e chupou os dedos com vontade.

Entramos numa banho demorado onde ela não parava de me chupar e lamber.

Sugou meus peitos com vontade, mordeu com força chegando a deixar marcas.

Meti novamente naquela bucetinha pequena, mas quente e macia.

Quando saimos do banho estavamos exaustos. Nos deitamos um pouco na cama dela e demos um cochilo.

Acordei com ela me chupando novamente.

Coloquei-a de quatro na cama e começei a bulinar o rabinho dela, ela confessou que não estava acostumada. E que da última vez tinha sentido muita dor.

Voltei a meter na bucetinha e fiquei bulinado com o dedinho o rabinho.

Ela pedia mais e com mais força, não demorou muito e gozou novamente.

Quando tentava enterra meu dedão no rabo de Sofia, minha esposa ligou.

Ai tivemos que parar e eu voltei para casa. Até hoje, de vez enquanto, nós saimos….

Depois conto quando enrabei a bundinha de Sofia…..

2 Comentários para “Melhor amiga da esposa”

  1. carton olivar Says:
    hummmmmmmmmmmmmm que delicia de conto me esporrei todinho na cueca de tanto tesão que me deu. nota 10
  2. silvio Says:
    muito bom ,comer a amiga da esposa e otimo.

Deixe Um Comentário

WP-SpamFree by Pole Position Marketing